Seu namorado sempre gostou de gordinhas?
Em Uncategorized | 12 de jun de 2018

Era uma segunda-feira de carnaval quando do outro lado da avenida, entre os trios elétricos, axé e uma galera cheia de energia, tinham dois amigos dançando de um jeito bastante alegórico. Como no Carnaval de Salvador as únicas regras são felicidade e diversão, caí na gargalhada porque aquele negócio de jogar os pés acima da altura da cabeça em um ritmo frenético não me parecia comum e era bastante engraçado.

“É por isso que eu amo Salvador!”, comentei com a minha amiga enquanto mostrava os dois dançarinos do outro lado da rua. Como em cena de novela, o meu olhar logo cruzou com um dos malucos e quando vi ele já estava do meu lado. Minutos depois estávamos rindo e nos divertindo como se nos conhecêssemos há anos. Eu diria que o santo bateu!

Aquele foi o início do meu atual e único namoro, que já contabiliza cinco anos e três meses de relacionamento, cinco carnavais, diversos amigos em comum, viagens, histórias, perrengues, um apartamento e tantos outros sonhos compartilhados a serem vividos.

E então, eles foram felizes para sempre? Na-na-não! Mesmo diante da história maluca de dois paulistas que se conhecem no carnaval da Bahia e que moram a 100 km de distância um do outro, a primeira coisa que chamava atenção de parte das pessoas era a nossa diferença de biótipos, ou seja, ele magro e eu gorda.

“O seu namorado sempre gostou de gordinhas?”, escutei mais vezes do que o necessário, tanto de pessoas próximas como de meros conhecidos.

Eu e o Ju no dia que nos conhecemos no Carnaval de Salvador

Parece que em todos os momentos da vida, nós gordos travamos batalhas, pois nos são colocadas expectativas e exigências que nos levam a nos sentir, novamente, inadequados, mesmo quando encontramos alguém que nos ame genuinamente.

Fiquei pensando em uma resposta, mas eu não tinha até porque eu nunca tinha olhado para o meu namoro por aquela ótica. Quando é que eu imaginaria que o fator peso pudesse ser decisivo em um relacionamento?

Escolher uma pessoa para compartilhar sua vida e dedicar seu amor não é como ir ao supermercado e ficar entre comprar o pote de 150 ou 300 gramas de creme de avelã ou escolher entre o pão sovado e o multigrãos. Por isso, todas as vezes que me era feita essa pergunta eu me sentia um produto exótico, incomum e esquisito que apenas “quem gosta de gordinhas” era capaz de desejar estar junto.

No começo do namoro essa questão aumentava a minha insegurança com o meu próprio corpo, o que em vários momentos foi prejudicial e desgastante para o relacionamento, mas com o tempo e convivência, o Junior me fez entender que ele me escolheu pelo mesmo motivo que eu havia o escolhido, por puro amor e conexão.

Além de nos amar, somos muito amigos e temos uma sinergia incrível na hora de rir de coisas idiotas, de nos divertir com o pouco que restou do salário no final do mês, além de também termos objetivos de vida muito parecidos. Encontramos no outro um trampolim para crescermos e alçarmos voos cada vez mais interessantes e ousados.

Hoje, cinco anos depois do início do relacionamento eu encho a boca para responder que: “não sei quais eram as preferências do Junior antes de namorarmos, mas eu sei que ele me escolheu pela mulher forte, linda e inteligente que eu sou e não pelo meu peso ou tamanho de roupa”.

Eu e Mori depois de 5 anos de namoro ( o tempo fez um bem danado!)

A grande verdade é que os padrões oprimem e, muitas vezes, abrimos mão de experiências genuínas por acharmos que não merecemos algo tão bacana e puro porque foi assim que crescemos e fomos ensinadas: se você não se encaixa você é inadequado.

A partir do momento em que nos libertarmos do desejo de agradar ao outro e assumirmos o compromisso com nós mesmas de sermos felizes do jeito que somos, estaremos mais propícias a relacionamentos saudáveis, verdadeiros e agregadores.

Os julgamentos, questionamentos e ofensas sempre existirão, mas não terão mais sentido diante de uma vida livre e feliz!

Antes de um relacionamento, namore-se! Feliz Dia dos Namorados!

Imagem de destaque por Camila Cordeiro on Unsplash

Deixar um comentário